Alimentação vegetariana para reverter diabetes

Medicina aplicada ao Veganismo

Ontem (14/11), foi o Dia Mundial do Diabetes. De acordo com a Federação Internacional do Diabetes, metade dos adultos que tem a doença não sabem que a possuem. O balanço da federação aponta que 415 milhões de adultos viviam com diabetes em 2015. A previsão é de que esse número chegue a 642 milhões em 2040 – uma proporção de um adulto diabético para cada dez adultos no planeta.

Os números mostram ainda que até 70% dos casos de diabetes tipo 2 podem ser prevenidos por meio da adoção de hábitos mais saudáveis. A quantidade deve representar cerca de 160 milhões de pacientes até 2040.

Alimentação vegetariana e diabetes

Mudanças alimentares são a pedra angular para o tratamento de diabetes tipo 2. As recomendações de dieta atuais exigem restringir o tamanho das porções, medir e pesar os alimentos e limitar a quantidade total de carboidratos. No entanto, segundo o Comitê de Médicos pela Medicina Responsável dos EUA, que incentiva uma alimentação 100% vegetariana para promover a saúde, a evidência sugere que uma abordagem dietética diferente pode ser mais eficaz e mais fácil de seguir.

As evidências que favorecem uma nova abordagem vieram primeiro de comparações de várias populações ao redor do mundo. As pessoas cujas dietas eram baseadas principalmente em alimentos derivados de plantas – isto é, arroz, macarrão, feijão e legumes – eram menos propensas a desenvolver diabetes, em comparação com pessoas cujas dietas são mais centradas em carne ou gordura, como a dieta típica ocidental.
Estes estudos sugeriram que as dietas cárneas e gordurosas fazem com que o corpo seja mais resistente às ações da insulina. Estudos de pesquisas clínicas mostraram que a adoção de uma dieta de baixo teor de gordura, de origem vegetal, realmente melhora a sensibilidade à insulina, ajuda na perda de peso e reduz o açúcar no sangue e o colesterol.

Parte da eficácia de uma dieta de baixo teor de gordura baseada em plantas é que ela é muito baixa em gordura saturada, ou seja, o tipo de gordura que é encontrado principalmente em carnes, laticínios e óleos tropicais (coco, palma ou óleo de palmiste).

O Comitê desenvolveu um guia para orientar como tratar o diabetes através da dieta, que está disponível em duas versões: inglês ou espanhol

O guia orienta:

  • O primeiro passo é evitar produtos derivados de animais, eliminando todas as gorduras animais. Esta mudança também elimina a proteína animal. Embora precisemos de proteína, não precisamos de proteínas derivadas de animais. As proteínas animais aceleram o dano renal em pessoas que já perderam parte da função renal e também aumentam a perda de cálcio do corpo (através dos rins e para a urina), potencialmente aumentando o risco de osteoporose. Fontes vegetais de proteína não apresentam esses problemas.
  • O segundo passo é evitar a adição de óleos vegetais. Embora os óleos vegetais sejam freqüentemente considerados mais saudáveis, eles são muito elevados em calorias. Para uma dieta mais saudável, é necessário manter os óleos a quantidades mínimas.
  • O guia também ajuda a selecionar os alimentos mais saudáveis contendo carboidratos, e fornece muitas outras idéias para escolher alimentos saudáveis.
  • A maneira de comer explicada no guia não requer pesagem ou medição, e garante que você não passará fome seguindo suas orientações.

Leia mais no site do Comitê de Médicos Pela Medicina Responsável dos EUA.