Defendendo animais e odiando humanos? Xenoespecismo!

sonia-tedDr. phil. Sônia T. Felipe

Se agora eu odiasse quem maltrata e mata animais (misantropia e xenoespecismo) e quem ainda os come, sobrariam poucas pessoas para eu estimar.

Além disso, eu me odiaria pelo meu passado ovo-galacto-carnista, com o qual rompi pela primeira vez há mais de 25 anos, ao parar de comer carnes, e há mais de 15 quando parei com tudo no prato [pois ainda uso outros produtos que não são veganos, como roupas tingidas com tintas testadas em animais, impressão a laser cujo pó foi largamente testado em animais, automóvel e tudo o que está na minha casa, incluindo todos os livros que leio, cuja matéria industrializada ali composta para capas e textos, além do próprio papel, foi largamente testada em animais, e por aí afora] o que é alimento animalizado.

E, vejam, mesmo os veganos, especialmente os que se alimentam de junk food não são de fato veganos, nem no prato, é bom que pensem nisso. Vou odiá-los por isso, ou agora vou esconder a razão pela qual escrevi a frase, a de que junk food não é comida vegana? Não.

Então, para ajudar as pessoas que eu não odeio a se libertarem também da junk food vegana, dou um exemplo, apenas um dentre vários, para não alongar-me: quem come qualquer coisa com sabor defumado pode ser vegetariano e não ser vegano (no prato), porque a fumaça líquida (altamente cancerígena, segundo T. Collin Campbell em seu livro Whole: rethinking the Science of Nutrition, não financiado pelo McDonalds) foi testada em quantidades imensas nos estômagos dos animais, até que metade do grupo experimental morresse [LD50 é o nome desse teste], como o foram e são todos os corantes, adoçantes, estabilizantes, conservantes etc., etc., etc..

Mas, porque apresento um exemplo de malefícios desse alimento para os humanos [ameaça de câncer] além de mostrar o malefício moral dessa ingestão, que é o de destruir qualquer propósito dietético vegano ao se ingerir coisas testadas em animais, sou taxada de especista, porque todo meu argumento com veganos deveria restringir-se somente à dor e ao sofrimento dos animais. Então, mostro os dois lados do problema: o teste LD50 que mata os animais, na verdade todos os que sobrevivem são mortos ao final do experimento, depois de os ter torturado com o experimento, e o malefício que esses aditivos ainda causam depois a quem os ingere.

Continuarei a fazer meus estudos e a escrever sobre todos os lados de cada questão, pois sem isso não creio ser possível desconstruir as crenças dietéticas, nem dos vegetarianos, nem dos veganos. Qual vegano aqui deixaria sua feijoada se soubesse que a fumaça líquida é cancerígena? Talvez, nenhum. Mas há os que deixarão, espero, por saber do LD50. Mas se falo de LD50 para testar qualquer aditivo alimentar, então já estou falando dos riscos para os humanos. E para explicar por que tantos animais são torturados com esses testes, tenho que falar que é porque os produtos testados no estômago e fígado, pulmão etc., deles podem causar câncer em humanos.

Bem, quem não deixa de ingerir produtos animalizados depois de saber de todos os pontos da questão, não tem jeito mesmo. E não serei eu a ter que assumir a responsabilidade pelas decisões morais dietéticas dessas pessoas, sejam elas onívoras ou veganas.

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016