Arqueóloga conta como pesquisar relação entre humanos e carne tornou-a vegana

“Todo vegano parece ter seu próprio momento de despertar em que algo dá um clique e ele para de comer produtos de origem animal”, diz a arqueóloga da Universidade de Cambridge, Pía Spry-Marqués, que se comprometeu com o veganismo há dois anos enquanto pesquisava a história da carne de porco.

“Meu filho nasceu há três anos e eu estava amamentando ele. As pessoas me olhavam de maneira esquisita por amamentar meu filho e, no entanto, estava tudo bem em tomar café com leite de vaca ou comer pasta de chocolate “, lembra ela ao The Independent .

“Comecei a pensar como é estranho beber leite de vaca. Eu estava escrevendo o livro e pesquisando sobre fazendas industriais e porcas amamentando, e tudo isso foi demais. Eu decidi que seria vegana no dia seguinte. E foi isso. ”

Conforme a doutora Spry-Marqués mergulhou na história da carne de porco – desde a época paleolítica até agora – ela aprendeu sobre como os porcos são relativamente sensíveis, criaturas sociais que podem expressar empatia . E sobre os extremos da pecuária industrial , onde os porcos são castrados sem qualquer alívio da dor e mantidos em condições severas e apertadas. E como os subprodutos deste processo acabam em todos os tipos de itens, de pincéis à gaze médica, de iogurtes à porcelana chinesa.

A arqueóloga, que se encontra em Cambridge e é originalmente da Espanha, admite que antes de começar a explorar a relação entre humanos e porcos para o seu livro Pig/Pork: Archaeology, Zoology, Edibility , ela – como a maioria de nós – pensou pouco sobre a proveniência da sua comida.

“A única vez que vi porcos eram os leitões mortos em exibição em açougues espanhóis, ou pernas de presunto em restaurantes e bares. Mas você está tão desconectado que não te choca ver a pele macia e pálida no balcão. Agora penso sobre isso, me choca que não tenha me chocado antes.”

“Eu amo presunto ibérico. Eu amo chouriço “, acrescenta a Dr. Spry-Marqués. “Mas não vale a pena”.

A existência de vinho vegano foi uma das descobertas mais surpreendentes da acadêmica, segundo ela. Eu estava: ” Que ?! ” Certamente vinho é vegano, são apenas uvas. Não é. O vinho tem aditivos derivados de animais, de ovos, de peixe. E a tripsina de porco, que é proibida na UE, mas usada nos EUA, é secretada pelo pâncreas e usada para quebrar as proteínas no vinho e clarificar a bebida. Também é encontrado em cerveja “, diz ela.

Ficou claro para a Dr. Spry-Marqués que o uso generalizado da carne de porco é uma questão de oferta e demanda.

“Quanto menos carne consumimos em geral, menos temos subprodutos usados ​​de alguma outra maneira. Usamos cada pequena parte do animal e se vamos matá-los, nós bem podemos fazê-lo. Mas se o consumo de carne diminui, então precisaremos encontrar alternativas “, argumenta ela.

Mas o livro da Dr. Spry-Marqués não é simplesmente um “veganisador”, escrito apenas para transformar os estômagos dos maiores fãs de bacon. Também desenha a complicada história cultural do porco. Os porcos foram domesticados pela primeira vez no que é agora a Turquia moderna há cerca de 9.000 anos. Ao contrário de outros animais que foram vistos como presas e depois capturados e criados – como galinhas – porcos, ou mais precisamente javalis selvagens, foram atraídos pelo alimento residual em assentamentos humanos e depois criados. ” Olhe onde eles se enfiaram apenas por alguns restos de comida”, diz a Dr. Spry-Marqués .

“Agora pensamos nessa região como livre de porcos, mas na verdade é onde tudo começou”, ela acrescenta. Completamente independente, os porcos foram domesticados novamente na China, mil anos depois, enfatizando a forma como a nossa história com carne de porco é vasta e variada. Evidências sugerem, por exemplo, que os porcos foram proibidos no judaísmo e no islamismo, a fim de diferenciar os membros da religião. No entanto, as questões relativas à segurança e ao transporte da carne também provavelmente desempenharam um papel em seu veto, acrescenta. E durante a época da Inquisição espanhola, as autoridades usaram presunto para testar se uma pessoa se converteu ao catolicismo.

Apontando para o carnismo – uma teoria criada pela psicóloga social Melanie Joy – A Dr. Spry-Marqués argumenta que comer carne não é algo que os seres humanos fazem inerentemente. Não é estranho que, no Reino Unido (bem como no Brasil), alegremente comemos carne de porco mas não de cachorro? Quando estremecemos com a idéia de comer um bife de cavalo, mas salivamos com a idéia de um hambúrguer de carne de vaca? Levítico 11 no Antigo Testamento, que proíbe carne de porco, também proíbe a de águia, “qualquer tipo de corvo” e camelos. A acadêmica estava juntando as peças de quão arbitrário é o que comemos.

“Estamos condicionados por um sistema de crença invisível que nos encoraja a comer animais que é compartilhada por todas as culturas comedoras de carne. Se você pensa sobre os milhões de animais diferentes lá fora, nós escolhemos apenas alguns que classificamos como comestíveis. Os outros são vistos como nojentos. Imagine comer um rato. ”

Dois anos depois de se dedicar ao veganismo, a Dr. Spry-Marqués diz que se sente mais saudável, mas também como se tivesse sido enganada por como consumia comida. Então, talvez ela não seja uma “super-heroína vegana” e tem conflitos sobre a origem ética da quinoa e da castanha de caju tanto quanto da carne. Mas ela diz que agora ela pensa mais sobre sua comida.

“Mesmo o mais ínfimo passo em uma direção fará a diferença”, argumenta ela. “Quanto mais mainstream isso se torna você não terá que fazer essa escolha mais, será o padrão”.

Perguntada sobre o que ela espera que os leitores tirem de seu livro, ela conclui: “Eu quero que eles percebam que há uma grande história por trás de cada animal que comemos. E, se uma pessoa se tornar vegana como resultado e reconsiderar suas escolhas alimentares, minha ação está feita “.

Fonte: The Independent