O caminho dos animais até o matadouro

bois-transporteA pecuária trata os animais que explora como máquinas e mercadorias. Se leis que protegem animais de estimação fossem aplicadas aos animais de criação, as práticas mais rotineiras desta indústria seriam totalmente ilegais.

Para a agricultura animal moderna, quanto menos o consumidor souber sobre o que está acontecendo antes que o produto chegue a seu prato, melhor. Se os consumidores de produtos de origem animal conhecessem e acompanhassem todo o processo que antecede o alimento, muitas destas pessoas deixariam de consumi-los.

Antes de serem abatidos, os animais precisam ser transportados para o matadouro. Acidentes no transporte destes animais são frequentes e alguns chegam ao conhecimento do público, situações que, com razão, repercutem bastante e causam comoção. Ainda que os acidentes sejam por si só terríveis, eles escancaram uma realidade bem escondida dos nossos olhos, já não é só quando estes caminhões tombam que resultam em uma grande tragédia para os animais:

– Nos caminhões, aves, porcos, ovelhas ou vacas são amontoados. Os mamíferos ficam em montes de urina, fezes e vômito; aqueles que caem e não conseguem se levantar podem ser pisoteados ou sufocar.

– Os caminhões expõem os animais a temperaturas extremas. Alguns podem sofrer desidratação ou queimaduras, ou até congelar em baixas temperaturas. O clima quente e umidade são mortais para os porcos.

– Os animais são muitas vezes transportados por longas distâncias, levando várias horas ou mesmo dias de viagem para chegar ao matadouro. Estes animais ficam sem comida e água durante todo o trajeto. Muitas vezes chegam feridos, fracos, desidratados, incapazes de levantar, sendo arrastados ou jogados para fora do caminhão de carga.

– Tanto os animais criados em fazendas industriais quanto os criados “soltos” –  aqueles que sobrevivem à fazenda e ao transporte – vão parar nos matadouros.

– No matadouro, os animais normalmente podem cheirar, ouvir e, muitas vezes, ver o abate dos que estão diante deles. Como empacam e lutam para não morrer, são freqüentemente tratados com violência por trabalhadores frustrados, que estão sob constante pressão para manter as filas em movimento a velocidades rápidas. O uso de armas de choque é frequente.

Com informações de Vegan Outreach.

Por mais que se busque regulamentar a criação e o abate dos animais, não há como explorá-los de forma “gentil” e “confortável”. Tais medidas somente trazem um falso conforto e bem-estar para a nossa própria consciência.  A única maneira de tratar os animais de forma verdadeiramente ética é acabando com sua exploração.

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016