Médico explica por que a dieta humana deve ser baseada em amido

O medo dos carboidratos tomou a indústria da nutrição em poucas décadas. Mas a verdade é que os carboidratos não são o inimigo. Pelo contrário: uma dieta rica em amido obtido de alimentos integrais pode ajudá-lo a perder peso, prevenir uma variedade de males e até mesmo curar doenças comuns. A troca é simples: Ao abastecer seu corpo principalmente com carboidratos complexos, em vez de proteínas e gorduras, você vai se sentir satisfeito, aumentar a energia, ver e sentir o seu melhor.

O Dr.John A. McDougall é um médico especialista em nutrição que ensina como obter uma saúde melhor através da alimentação vegetariana. Ele estuda, escreve e fala sobre os efeitos da nutrição em doenças há mais de 30 anos, e escreveu o livro The Starch Solution (sem tradução para o português até o momento).

Segundo ele, a dieta adequada para os seres humanos é baseada em amido. Quanto mais arroz, milho, batatas, batatas doces e feijões você comer, mais adaptado e saudável você será – e com essas mesmas escolhas alimentares você ajudará a salvar o Planeta. As citações abaixo foram extraídas do primeiro capítulo do livro disponibilizado no site do autor, que você pode conferir completo, em inglês, clicando aqui.

A evidência mais importante que sustenta a minha afirmação de que a dieta humana natural é baseada em amido é uma observação simples que você pode facilmente validar por si mesmo: todas as grandes populações de pessoas saudáveis, em toda a história verificável da humanidade, obtiveram a maior parte de suas calorias de amido. Exemplos de populações já prósperas incluem japoneses, chineses e outros asiáticos que comem batata doce, trigo sarraceno e / ou arroz, incas na América do Sul comendo batatas, maias e astecas na América Central comendo milho e egípcios no Oriente Médio comendo trigo. Houve apenas algumas pequenas populações isoladas de povos primitivos, como os esquimós do Ártico, que vivem nos extremos do meio ambiente, que comem de outra forma. Portanto, a documentação científica do que as pessoas comem nos últimos treze mil anos suporta de forma convincente minha afirmação.

Homens e mulheres seguindo dietas baseadas em grãos, legumes e frutas têm realizado todos os grandes feitos na história. Os antigos conquistadores da Europa e da Ásia, incluindo os exércitos de Alexandre, o Grande (356 – 323 aC) e Genghis Khan (1162 – 1227 dC) consumiram dietas à base de amido. As legiões de Cesar queixaram-se quando tiveram muita carne em sua dieta e preferiam fazer sua luta consumindo grãos.  Principalmente seis alimentos: cevada, milho, painço, batata, arroz e trigo têm alimentado os motores calóricos da civilização humana.

Recentemente, os cientistas provaram através de testes genéticos que somos projetados para prosperar melhor em uma categoria de alimento vegetal conhecida como amido. O DNA humano e do chimpanzé é aproximadamente 99% idêntico, mas essa diferença de 1%, que inclui genes para digerir muito mais amido, provou ser crucial para a evolução dos primeiros antepassados ​​da humanidade. A análise do número de cópias do gene para a síntese da enzima digestora de amido, amilase, encontrou uma média de 6 cópias em seres humanos, em comparação com apenas 2 cópias deste gene em outros primatas. Essa diferença genética resulta na produção de 6 a 8 vezes maiores níveis de enzimas digestoras de amido na saliva humana. A limitada capacidade de chimpanzés e outros na família dos grandes macacos para utilizar amido manteve suas espécies nas selvas tropicais onde as frutas são abundantes durante todo o ano.

Os amidos eram uma fonte crítica de alimento para os antepassados ​​dos seres humanos primitivos e modernos. A capacidade de utilizar eficientemente o amido proporcionou-nos a oportunidade de migrar para fora da África – para colonizar o resto do planeta (para locais onde as frutas são abundantes apenas no verão e no outono). Os tubérculos cheios de amido e grãos agem como unidades de armazenamento para calorias concentradas que duram durante todo o inverno, são amplamente distribuídos geograficamente e são fáceis de reunir. Suas abundantes calorias também forneceram a energia extra necessária para o cérebro evoluir de tamanho de macaco para tamanho humano (uma diferença de três vezes).

As pessoas devem ser pensadas como “comedoras de amido”, assim como os gatos são “comedores de carne”. Até recentemente, exceto por um pequeno número de aristocratas ricos, os membros da espécie humana obtiveram a maior parte de suas calorias a partir de amido. Depois de meados dos anos 1800, com a criação de riqueza colossal durante a revolução industrial e o aproveitamento de combustíveis fósseis, milhões e, em seguida, bilhões de pessoas foram capazes de comer de uma mesa cheia de carne, aves e laticínios, uma vez disponíveis apenas para a realeza. Olhe ao seu redor – as conseqüências são óbvias – as pessoas comuns parecem rotundas como os reis e rainhas retratados em pinturas antigas. Olhe um pouco mais e você vai descobrir a solução do amido.

Os carboidratos abundantes em amidos prazerosamente estimulam os botões sensoriais de sabor doce nas pontas de nossas línguas. Aqui começa o prazer gastronômico e a satisfação. Por causa de suas propriedades naturais de recompensa – com grande sabor e calorias nutritivas – as pessoas se referem a feijões, pães, milho, massas, batatas e arroz como “alimentos confortáveis”. Além de ser uma “energia limpa, eficiente e satisfatória”, amido oferece uma abundância de outros nutrientes, tais como proteínas, gorduras essenciais, vitaminas e minerais. Alguns amidos simples, por exemplo batatas e batatas doces, são “alimentos completos” e podem facilmente satisfazer todas as nossas necessidades nutricionais sozinhos. Grãos e leguminosas são deficientes em vitaminas A e C. A adição de uma pequena quantidade de fruta ou vegetal verde e amarelo facilmente fornece essas vitaminas, fazendo uma dieta baseada nessas sementes (grãos e leguminosas) saudável.

A adoção de uma dieta baseada em amido por qualquer parcela considerável das populações do mundo terá ramificações importantes, porque lucros enormes estão em jogo e a indústria vai lutar contra. Os objetivos das indústrias de alimentos foram, e sempre serão, atrair o consumidor a comer mais carne, aves, frutos do mar, produtos lácteos e alimentos processados, porque esses são os itens de alto lucro. Arroz, milho e batatas são abundantes, fáceis de cultivar e baratos. Mudar para uma dieta baseada em amido não só afetará as indústrias alimentares, mas também drasticamente encolherá os negócios farmacêuticos e médicos, prevenindo e curando doenças comuns, incluindo obesidade, doenças cardíacas, diabetes, artrite e distúrbios intestinais que vão desde azia até constipação .

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais © 2012 - 2017