…mas eu gosto de comer carne!

…mas eu gosto de comer carne!Este é um argumento comum, usado como justificativa final para a não adesão ao vegetarianismo. Algo como: ” eu gosto de comer carne (e/ou queijo, ovos, etc) e não consigo ficar sem”,  ou ” meu prazer é importante e não vou abrir mão disto.”

Tudo certo, você gosta de comer carne, de comer queijo. Mas saiba que este fator não constitui  um obstáculo intrasponível. A maioria daqueles que hoje são vegetarianos ou veganos foram criados consumindo estes mesmos alimentos e também sentiam prazer em comê-los. Então, como conseguem? Serão os vegetarianos pessoas que renunciam a estes alimentos à duras penas, passando a consumir comida sem graça e sem prazer, permanecendo nesta dieta por  pura disciplina?

Isto é mito!

Nosso gosto alimentar está especialmente relacionado aos hábitos que adquirimos, e este paladar tem pouco a ver com necessidade nutricional.
Os hábitos surgem para nos ajudar; estabelecer rotinas foi um jeito que o cérebro encontrou de economizar energia. Os gânglios que ficam na base do cérebro constituem a região onde os hábitos ficam armazenados. Se essa “caixa” se esvazia, o cérebro sente falta. A única forma de modificar um velho hábito é substituindo-o por um novo. Com alimentação é a mesma coisa.
O fato de sentir prazer consumindo alimentos de origem animal não significa que não se possa sentir o mesmo nível de prazer e satisfatoriedade ( ou até superior) com alimentos vegetais, desde que estejamos dispostos a reeducar nosso paladar e adotar novos hábitos alimentares.

Então, se você reconhece os princípios éticos do veganismo e os benefícios alimentares do vegetarianismo, e pensa em adotá-los, não tenha receio. Claro, há esforço envolvido nesta transição. Sair da zona de conforto, compreender que não somos dependentes dos condicionamentos que nos foram introjetados, deixar de contribuir para a exploração animal, adquirir novos e melhores hábitos alimentares – são esforços extremamente positivos.

Além de tudo o que já foi citado, a culinária vegetariana por pode ser muito diversificada,  satisfazendo e oferecendo muito prazer gastronômico. De fato, não é incomum que vegetarianos passem a se alimentar de maneira mais variada, criativa e saborosa do que em suas antigas dietas baseadas em alimentos de origem animal.

Se ainda assim, você não acredita que valha a pena mudar seus hábitos, reflita se um prazer de poucos é mais importante que os direitos de muitos. A produção deste tipo de comida gera sofrimento e exploração animal, degradação ambiental e contribui para escassez de alimentos e a fome – entre tantos outros problemas. Um prazer efêmero, obtido às custas de muito sofrimento, merece ser revisto.

Veggi & Tal

referência: G1

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016