Conheça o homem que permanece na Síria para cuidar de gatos abandonados

homem-gato-allepoMohammad Alaa Aljaleel é conhecido como o “Homem Gato de Aleppo”. Em uma vida há muito perdida , ele era eletricista. Hoje, ele cuida de mais de 150 gatos abandonados.

Seu santuário de gatos improvisado começou por acidente quando Aljaleel notou alguns gatos em torno de uma área devastada por um ataque aéreo. Apaixonado por gatos, ele trouxe-lhes comida. A comida, claro, atraiu mais gatos. Recebendo comida, eles permaneceram no local.

Entre os animais que o encontraram e os amigos que confiaram seus animais de estimação ao seu cuidados antes de fugirem da guerra ou que morreram, Aljaleel agora cuida de cerca de 150 gatos. Mesmo a Força de Defesa Civil lhe traz gatos feridos para cuidar.

“Quaisquer gatos de rua em Aleppo, ou gatos de estimação deixados para trás pelos moradores, nós os protegemos neste pequeno santuário”, Aljaleel disse à BBC . “Uma vez que todos deixaram o país, incluindo meus próprios amigos, estes gatos tornaram-se meus amigos aqui.”

Quando a guerra na Síria eclodiu em 2011, Aljaleel poderia ter feito como muitos outros fizeram, fugindo. Na verdade, ele tinha um emprego em vista como mecânico na Turquia. No entanto, ele e sua família decidiram que tinham de ficar. Aljaleel queria estar lá para ajudar aqueles em necessidade. Para ele, os necessitados acabaram por ser os gatos desabrigados de Aleppo.

“Eu considero animais e seres humanos da mesma forma”, Aljaleel disse à Newsweek . “Todos eles sofrem e todos eles merecem compaixão.”

Aljaleel entende o sofrimento de pessoas forçadas a deixar seus queridos animais de estimação para trás em uma zona de guerra. Uma menina estava tão perturbada quando lhe entregou sua gatinha, que Aljaleel faz questão de tirar fotos em seu smathphone e enviá-las para que a garota saiba que a gata está bem.

Cuidar dos gatos não é a única ajuda que Aljaleel realiza. Seu trabalho atualmente envolve dirigir ambulâncias e buscar vítimas nos escombros dos ataques aéreos. Seu dever aos gatos, no entanto, tem um lugar especial em seu coração. Há um parque infantil vizinho, e por isso Aljaleel garante que os gatos amigáveis usem coleiras vermelhas para que as crianças saibam quais elas podem acariciar.

Aljaleel planeja ficar em Aleppo, não importa o quão ruim as coisas fiquem. Ele se sente responsável por essas criaturas inocentes que não têm ninguém para olhar por elas. Não há tal coisa como um abrigo de animais na Síria, mas a construção e execução de um algum dia é o sonho de Aljaleel. Por enquanto, porém, ele cuida dos gatos de Aleppo na rua.

“Eu disse que vou ficar com eles não importa o que aconteça”, Aljaleel disse à BBC . “Alguém que tem misericórdia em seu coração para com os seres humanos tem misericórdia para com todos os seres vivos.”

Doações financiam seu trabalho e são responsáveis pela alimentação dos gatos. Na verdade, crowdfunding ajuda de uma série de maneiras na região. Por ser quase impossível enviar fundos diretamente para qualquer um na Síria, as doações passam por um grupo francês chamado Síria Charity . Os interessados em seguir a história de Aljaleel e estes gatos pode participar de um grupo no Facebook chamado Il Gattaro D’Aleppo que atualmente, tem mais de 7.000 membros.

Ficar em Aleppo é um empreendimento potencialmente mortal. Aljaleel sabe que ele e sua família estão em risco constante: “Todos os dias, quando eu saio da minha casa, eu sei que posso não voltar”, Aljaleel disse à Newsweek .

Com informações do Care2.

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016