Sobre insetos perigosos aos humanos

Dr. phil. Sônia T. Felipe

pragasSobre os insetos que podem ser perigosos para nós, tenho a mesma opinião que tenho sobre os humanos que são perigosos para a vida de outros animais. O ambiente que propicia seu aparecimento deve ser eliminado, portanto, a causa de eles se tornarem perigosos ou aparecerem deve ser abolida. A causa.

Se descuidamos de crianças e não abolimos a cena que as deseduca e desestrutura e se tornará a causa que as tornará adultos perigosos, psico e sociopatas, perdemos de vez o sossego e colocamos em risco a integridade psicológica e física de quem terá que conviver com essas psicopatas.

Se descuidamos e destruímos os ambientes nos quais todos os insetos sempre vivem e viveram, comendo, matando e morrendo sem causar desequilíbrios, e agora eles vêm para junto de nossas casas, erramos.

Bandos de até 50 milhões de gafanhotos atacam desde o ano passado as pastagens vizinhas às plantações de soja e milho na Argentina. Soja e milho Transgênicos, diga-se de passagem. Se os gafanhotos se proliferaram a tal ponto, devastando agora os campos de pasto, isto se deve não apenas à seca prolongada dos últimos três anos, mas também a que seus predadores naturais foram destruídos por tais cultivos, nos quais se aplicam biocidas carregados de glifosato, o serial killer dos tecidos de plantas e de outros organismos vivos. Agora é só choro.

Destruímos os mananciais de água (assoreamos ou envenenamos com nossos resíduos) nos quais os sapos viviam. Não temos mais sapos nas cidades e mal os temos nos campos, como já não vemos as borboletas e as abelhas nesses campos. Temos o mosquito Aedes Aegypti, conhecido como mosquito da dengue e da febre chikungunya, que agora nos pica, inoculando também o vírus zica. Sabe-se-lá qual outro vírus mutante nos aguarda neste ano e nos que nos aguardam.

Humanos querem obter tudo à custa do equilíbrio natural. Uma vez destruído este equilíbrio, que, é bom lembrar, nunca foi harmonia pura, os outros seres vivos entram no controle, a seu próprio modo. Daí vem a solução humana considerada mágica: seu verbo é matar.

Estamos reféns deste verbo matar para dar conta, agora, de tudo o que fizemos com nosso modo de viver dos últimos 50 anos, que foi o de matar algo da casa dos hoje 70 bilhões de animais para consumo humano, todo ano.

Estes animais, mortos para consumo humano, são alimentados com a soja e o milho, a alfafa e a aveia, cultivados nos campos glifosatados, nos quais não vemos nenhum sapo proliferar. Só erramos e vamos errar sempre, se usarmos sempre o verbo matar. Se é de Pablo Neruda, ou não, esta frase que parafraseio, vale igual: você tem a liberdade para fazer o que quiser, mas justamente suas escolhas livres arquitetam as grades nas quais ficará aprisionado. Portanto, analise no longo prazo que tipo de grade está fabricando para a vida dos outros e a sua própria.

O verbo ético para corrigir nosso erro é recompor, reconstituir (engenharia e ética combinadas) o que estragamos. O melhor de todos os verbos é respeitar, que em sua etimologia quer dizer: olhar de novo, “de novo”, não de velho olhar, outra e mais outra vez, sob outra perspectiva, mais luminosa, o que até agora só olhamos pela perspectiva sombria do matar.

E levará outro século para tanto devido respeito. Para abrirmos nosso peito à vida dos outros. Agora esta é a tarefa que ficamos devendo, a lição de casa desta escola da matança que frequentamos sem consciência. Com nossas escolhas anteriores forjamos as grades que ora nos aprisionam. Nossas escolhas presentes desmontarão as jaulas. Animastê!

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016