Inteligência Artificial guiará a revolução dos alimentos vegetais

Crédito da imagem: NotCo

Em 2016, Eric Schmidt, presidente executivo da empresa-mãe do Google, a Alphabet, listou a tecnologia de alimentos à base de plantas como uma das principais tendências tecnológicas a serem observadas.

Um homem que construiu uma carreira muito bem-sucedida prevendo quais serão as próximas tecnologias que mudarão o jogo, prevê que a tecnologia de alimentos baseada em plantas seja uma das próximas indústrias revolucionárias. No entanto, a demanda por produtos vegetarianos não é o único motivo para esse crescimento de nicho.

O que a previsão de Schmidt capta astutamente é o surgimento de uma indústria hiper-inteligente apoiada por dados, inteligência artificial, bioquímica e impulso empresarial para resolver algumas das maiores crises sociais e ambientais do mundo.

O fundador do Hampton Creek (empresa de alimentos à base de vegetais)  Josh Tetrick, disse: “Não se trata de chegar aos consumidores conscientes de saúde. Toda a nossa filosofia é que, se você anseia por algo que tem um sabor realmente muito bom e é menos dispendioso, mesmo que você não dê a mínima, acaba escolhendo isto “.

Tendências de tecnologia como a inteligência artificial [IA] mudaram o jogo para os alimentos à base de plantas. IA torna possível criar opções mais baratas, mais saborosas e produzidas mais eticamente para os consumidores.

O caso mais popular de IA que está sendo usado na produção de alimentos à base de plantas é a startup chilena NotCo. Ela usa IA (ou aprendizado de máquina) para identificar vegetais que se assemelham mais à estrutura molecular do laticínio ou carne que irá substituir. A empresa chama seu software ‘Giuseppe’.

A idéia é que cada alternativa baseada em plantas tenha aparência, sabor e textura do popular produto que substitui.  Em outras palavras, o software Giuseppe facilita o processo de deixar de consumir produtos de origem animal, se o custo, o sabor e a textura forem a desculpa.

Esta citação vinda do site da empresa descreve por que sua tecnologia é importante:

Diz: “Até hoje, manter um sistema baseado em criação e produção de animais, usando um terço da terra inabitável por humanos e emitindo mais Co2 do que todos os meios de transporte combinados, estão matando nosso planeta.”

“E como se isso não bastasse, a obesidade, problemas cardíacos, níveis de colesterol e tudo o que implica esta dieta ocidental é provocada pelo simples fato de que alimentos saudáveis ​​não são acessíveis.”

“Se continuarmos na mesma, até o ano 2030 teremos uma probabilidade de 15% de conseguirmos alimentar nossa população. Como isso muda se trocarmos a produção animal pela produção vegetal?”

“Nós teríamos 100 por cento de chance de fazê-lo. É por isso que o NotCo nasceu”.

Empreendedores sociais estão alavancando a IA e outras formas de tecnologia para transformar a indústria alimentar, a fim de resolver os maiores problemas sociais do mundo: exploração animal, mudanças climáticas, fome e saúde precária.

Com as últimas tendências tecnológicas acelerando soluções de alimentos baseadas em plantas, não haverá desculpas para os consumidores que atualmente apoiam a agricultura animal em suas escolhas alimentares.

Pela primeira vez em décadas – e há muito atrasada – a indústria alimentar está experimentando uma transformação lenta mas significativa, impulsionada por um aumento do empreendedorismo social e avanços tecnológicos modernos.

Com a ajuda do aprendizado de máquina e novas tecnologias, o futuro parece esperançoso.

Fonte: Plant Based News