Palestra de Irvênia Prada, autoridade mundial na comunidade científica sobre Neuroanatomia Animal

Irvênia Prada proferiu palestra sobre “Educação dos sentimentos” e a questão da violência nas pessoas. Ela é autoridade mundial na comunidade científica sobre Neuroanatomia Animal

“Temos que rever todas as nossas atitudes em relação aos animais”, afirma a médica veterinária Irvênia PradaFortaleza – “Temos que rever todas as nossas atitudes em relação aos animais”, afirma a médica veterinária Irvênia Prada, professora catedrática da Universidade de São Paulo (USP). Ela é autoridade mundial na comunidade científica sobre Neuroanatomia animal. É também uma respeitada investigadora sobre a interação mente-cérebro dos bichos. Tem vários livros e estudos científicos já publicados.

Esteve, recentemente, em Fortaleza participando de evento promovido pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária, e também do 20º Encontro de Estudos Espíritas (20º Enese), uma vez que também é estudiosa desta doutrina. Para Irvênia, os estudos vêm mostrando, com evidências bastante aceitáveis, que os animais têm uma estrutura cerebral compatível com a exteriorização da consciência, com capacidade para resolver problemas, associação de ideias, memórias.

“O próprio estudo do cérebro, que é muito bem organizado nos mamíferos e também nas aves, nos dá indícios de que os animais são seres sencientes, ou seja, que têm todas as características compatíveis com o que a gente chama de funções cognitivas”.

Ela observa que as sociedades se formaram sobre um modelo completamente antropocêntrico, ou seja, que objetiva apenas o bem-estar do ser humano. Este modelo se pauta pela exploração dos animais para benefício das próprias pessoas.

“Por esta visão, os animais são considerados coisas. Desde, a época de Descartes, o grande filósofo do século XVII, tem-se essa ideia de que os animais são máquinas automatizadas, sem sensibilidade. Então considerar que eles são coisas, serviu muito bem ao modelo antropocêntrico porque, assim, o homem usa os animais sem culpa nenhuma, utilizando e descartando, como é feito até hoje”, afirma a professora.

Na palestra que fez para os veterinários, ela destacou a exigência de revisão deste paradigma. Segundo observa, atualmente, cresce o número de pessoas que não aceitam mais este modelo, considerado “indigno” e “mesquinho”. Após a palestra, Irvênia recebeu muitos comentários de veterinários sobre a importância de considerar o novo modelo, ainda desconhecido por muitos profissionais de diferentes áreas do conhecimento.

“Por que visar só ao nosso bem-estar e não o dos animais que também sofrem? Também precisamos cuidar das plantas, da qualidade da água, do ar, enfim, de todo o planeta. Nós temos que abrir os nossos horizontes e cuidar de tudo e não apenas dos seres humanos. A partir de agora, temos que aceitar essas mudanças e prestar atenção que os animais sofrem, têm direito à própria vida, e que não são simples coisas descartáveis”, defende a pesquisadora.

Em substituição ao antropocentrismo, ela aponta o paradigma biocêntrico ou ecocêntrico, pelo qual todas as formas de vida merecem ser preservadas com respeito e sustentabilidade. “Este novo modelo busca o bem-estar do ser humano, mas também dos animais, das plantas, da qualidade da água, do ar, enfim, de todo o planeta que é a nossa casa. Se todos moramos aqui, nada melhor do que termos uma relação harmônica, de paz e felicidade com toda a natureza”. Além de professora universitária, Irvênia também é assessora técnica do Fórum de Proteção e Defesa Animal de São Paulo, instituição que congrega mais de 100 entidades protetoras de animais. Nesta função, ela dá pareceres para verificar se há ou não maus-tratos aos bichos. Já avaliou casos de rodeios, vaquejadas, entre outras situações de entretenimento para as pessoas, mas de muito sofrimento para os animais, conseguindo intervenção do Ministério Público e proibição de práticas abusivas.

“Já tem muita gente preocupada, vendo que os animais estão sofrendo. Precisamos contaminar todo mundo com este pensamento. É difícil mas, só através da informação, é que vamos conseguir fazer com que as pessoas olhem para os animais com nova postura”, defende ela.

No 20º Enese, a pesquisadora abordou dois temas: “Educação dos Sentimentos” e “A violência é inata no ser humano?”. O organizador do evento, Francisco Cajazeiras, também presidente do Instituto de Cultura Espírita do Ceará (ICE-CE) e da Associação Médico-Espírita do Ceará (AME-CE), diz que convidou Irvênia em reconhecimento à conceituada palestrante.

“Ela tem ótimos recursos de comunicação e conhecimentos geral e específico. É política do nosso evento apresentar novos palestrantes de qualidade para o público do movimento espírita cearense”, afirma ele.

Entre os livros de destaque da pesquisadora para o grande público estão “A questão espiritual do animais” e “A Alma dos Animais”, este último com edição esgotada, mas já está sendo considerada a possibilidade de reedição atualizada da publicação.

Diário do Nordeste

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016