Lagostas e caranguejos

crustáceos

Lagostas

Crustáceos parecem ser muito diferentes dos seres humanos, por isso é difícil para nós imaginar como eles percebem o mundo.
Por exemplo, as lagostas “cheiram” produtos químicos na água com suas antenas, e “sentem gosto” com pêlos sensoriais ao longo de suas pernas. Mas, em muitos aspectos, as lagostas não são tão diferentes de nós.
Como seres humanos, as lagostas têm uma longa infância e uma adolescência desajeitada. Assim como nós, elas também carregam seus filhotes por nove meses e podem viver mais de 100 anos de idade.

Como os golfinhos e muitos outros animais, lagostas usam sinais complicados para explorar os arredores e estabelecer relações sociais. Elas fazem viagens sazonais de longa distância e podem cobrir 100 milhas ou mais a cada ano, assumindo que conseguem evitar os milhões de armadilhas ao longo das costas. Infelizmente, muitas lagostas não sobrevivem ao seus mais formidáveis predadores … seres humanos. Mais de 20 milhões são consumidos a cada ano só nos Estados Unidos.

Contrariamente às afirmações feitas por vendedores de frutos do mar, os cientistas determinaram que as lagostas, como todos os animais, podem sentir dor. Além disso, quando mantidos em tanques, elas podem sofrer de estresse associado com o confinamento, pelos baixos níveis de oxigênio e pela aglomeração. A maioria dos cientistas concorda que o sistema nervoso de uma lagosta é bastante sofisticado. O neurobiólogo Tom Abrams diz que lagostas tem “uma gama completa de sentidos.”

Lagostas podem sentir até mais dor do que nós em situações semelhantes. De acordo com o zoólogo de invertebrados Jaren G. Horsley ,” A lagosta não tem um sistema nervoso autônomo, que a coloca em um estado de choque quando é prejudicada. Ela provavelmente sente que está sendo cortada . … Eu acho que a lagosta sente uma grande dor ao ser cortada … [e] e sente toda a dor até que seu sistema nervoso seja destruído ” durante o cozimento.

“Como um zoólogo de invertebrados que estudou crustáceos durante anos, posso dizer-lhe que a lagosta tem um sistema nervoso bastante sofisticado que,entre outras coisas, permite perceber ações que lhe causam danos. … [ Lagostas ]podem ,tenho certeza,sentir dor. ” – Jaren G. Horsley , Ph.D

Quem já viu uma lagosta sendo fervida viva sabe que quando jogadas na água escaldante , lagostas chicoteiam seus corpos descontroladamente e raspam as laterais da panela em uma tentativa desesperada de escapar. Na revista Science , o pesquisador Gordon Gunter descreveu este método de matar lagostas como “tortura desnecessária .”

Na realidade, biólogos marinhos consultados pelo Peta concordam que não há realmente nenhuma forma “humana” e indolor de matar estes animais sensíveis e incomuns.

Caranguejos

lagostas e caranguejosBiólogos marinhos que estudam caranguejos estão trabalhando para lançar luz sobre a fascinante vida desses astutos crustáceos .

Caranguejos de bromélia, que vivem em pequenas poças de água nas flores de bromélia, são cuidadosos com seus filhotes. A mãe caranguejo continua a alimentar e cuidar de seus bebês durante vários meses depois de nascerem . Elas trabalham duro para manter suas casas limpas e confortáveis para seus filhotes. S. Blair Hedges, um biólogo que pesquisou a maneira como os caranguejos cuidam de sua prole, diz: ” O caranguejo mãe manipula a qualidade da água através da remoção de detritos, fazendo circular a água para adicionar oxigênio a ela, e transportando conchas de caracol vazias na água para amortecer os níveis de pH e adicionar cálcio ” .

Os cientistas também descobriram que os caranguejos vivem pelo ditado: ” Ama o teu próximo . ” Se a toca de um macho do caranguejo violinista australiano está sendo invadida por um intruso querendo tomar a toca, seu vizinho macho vai deixar sua própria toca e ajudar a combater o intruso . Os cientistas também descobriram que dois caranguejos vizinhos nunca irão lutar entre si .

Caranguejos têm os sentidos da visão , olfato e paladar bem desenvolvidos, e pesquisas indicam que eles têm a capacidade de sentir dor. Eles têm dois principais centros nervosos , um na frente e outro na parte traseira , e – como todos os animais que têm nervos e uma série de outros sentidos – eles sentem e reagem à dor.

Infelizmente, a cada ano os pescadores  matam centenas de milhões de caranguejos. Eles usam vários métodos para pegar caranguejos , incluindo a criação de armadilhas em águas rasas e arrastar grandes redes ao longo do fundo do oceano. Estes métodos também capturam outras espécies, tais como pássaros, peixes, e outros animais marinhos – que são jogados de volta na água geralmente morrendo ou já mortos.

Os caranguejos, que são naturalmente territoriais , são amontoados em contêineres enquanto aguardam seu destino. Assustados e confusos , eles podem lutar uns com os outros , depois de já terem sofrido lesões de manuseio. Muitos caranguejos têm suas pernas danificadas e arrancadas quando pescadores os tiram rapidamente das redes. Inúmeros caranguejos morrem a cada ano antes mesmo de chegar ao mercado .

Como lagostas,caranguejos são muitas vezes jogados em panelas de água fervente e cozidos vivos . Os caranguejos lutam tanto contra uma morte claramente dolorosa que as suas garras muitas vezes quebram em sua luta para escapar. Alguns caranguejos utilizados para a alimentação são eletrocutados, outros são picados, e outros são cozidos em microondas, tudo enquanto ainda estão conscientes .

A melhor maneira de ajudar a colocar um fim a esta crueldade é adotar o veganismo.

Extraído do Peta, com livre tradução do Veggi & Tal.

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016