Médico fala sobre o vício por queijo em seu novo livro

O Dr.Neal Barnard é presidente do Comitê de Médicos pela Medicina Responsável dos EUA. Em seu livro: The Cheese Trap: How Breaking a Surprising Addiction Will Help You Lose Weight, Gain Energy, and Get Healthy, (A Armadilha do Queijo: como quebrar um vício surpreendente vai te ajudar a perder peso, ganhar energia e ficar saudável, em tradução livre), Barnard escreve sobre o queijo nos seguintes termos:

“Cheio de calorias, rico em sódio, carregando mais colesterol do que carne e salpicado com hormônios – se queijo fosse pior, seria vaselina …

Alguns alimentos engordam. Outros são viciantes. O queijo é engordante e viciante. ”

Barnard explica que as proteínas lácteas – especificamente uma proteína chamada caseína – tem moléculas de opiáceos incorporadas. Quando os bebês mamam, observa, eles estão recebendo doses de uma droga leve: “O leite contém opiáceos que recompensam o bebê por mamar”.

Não é diferente com o leite de vaca – ou qualquer outro leite de mamífero – a partir do qual é feito queijo. Na verdade, diz Barnard, o processo de fabricação de queijo concentra a caseína:

“Uma xícara de leite contém cerca de 7,7 gramas de proteína, 80 por cento dos quais é caseína, mais ou menos. Quando transformado em queijo Cheddar multiplica-se a contagem de proteínas sete vezes, para 56 gramas. É a forma mais concentrada de caseína em qualquer comida no supermercado.”

“Chame de crack de leite.”

A grande questão, diz ele, é que os amantes de queijo não são apenas viciados num alimento, eles são viciados em um que pode contribuir seriamente para problemas de saúde. Ele cita estudos no livro que associam comer queijo ao ganho de peso e ao risco de numerosas doenças.

Barnard sugere que renunciar ao queijo está associado, por exemplo, com o alívio dos sintomas da asma. Ele resume desta forma, em um e-mail para a associação NPR:

“As proteínas do leite parecem desencadear inflamação, aparentemente desencadeando a liberação de anticorpos, o que leva à constrição dos músculos minúsculos nas vias aéreas. Evitando as proteínas do leite, o gatilho para os ataques vai embora”.

No livro, Barnard observa que a vitamina D pode desempenhar um papel importante na nossa proteção contra alguns tipos de cânceres. Citando dados de câncer de próstata, ele sugere que, como os produtos lácteos são ricos em cálcio e ingestão de cálcio pode retardar a ativação da vitamina D, o risco de câncer pode aumentar comendo queijo.

Sobre o consumo de queijo por crianças, o médico diz: “se você tiver filhos, seria melhor nunca apresentá-los a alimentos insalubres por completo. O gosto por queijo é uma excelente introdução à obesidade infantil “.

Barnard inclui um capítulo em The Cheese Trap chamado “A indústria por trás do vício” que descreve o lobby implacável da indústria poderosa de laticínios para promover o queijo, apesar de seus riscos.

A mensagem central de Barnard sobre o queijo inclui os custos para os outros animais:

“Todos nós estamos preocupados com nossa saúde pessoal e com a de nossas famílias, mas não estamos sozinhos neste planeta, e nossas escolhas alimentares têm efeitos enormes sobre os animais e o meio ambiente.

As vacas leiteiras são inseminadas artificialmente todo ano, depois separadas da sua prole para que possamos tomar o leite e, em seguida, são mortas por volta dos 4 anos de idade, para que uma prole de produção mais elevada possa tomar o seu lugar. Uma visita a uma fazenda leiteira logo convencerá qualquer pessoa pensante de que esta não é a realização mais orgulhosa da civilização. ”

O livro Cheese Trap conclui com mais de 60 páginas de receitas alternativas ao queijo animal, que vão desde um cheesecake com base de aveia e castanha de caju à pizza integral.  Com informações de NPR.

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2017