Médicos contrários à Vivissecção

As citações abaixo foram extraídas do livro1000 Médicos (e muitos mais) contra a Vivissecção, (Ed. Hans Ruesch), CIVIS, 1989:As citações abaixo foram extraídas do livro 1000 Médicos (e muitos mais) contra a Vivissecção, (Ed. Hans Ruesch), CIVIS, 1989:

“A razão pela qual eu sou contra pesquisas com animais é porque elas não funcionam, não tem valor científico e todo bom cientista sabe disso.”
– Dr. Robert Mendelsohn, MD, 1986, Chefe da Licensing Board for the State of Illinios, pediatra e ginecologista por 30 anos, médico colunista e autor de best-seller, destinatário de inúmeros prêmios de excelência em medicina.

“Como não existe uma maneira de defender o uso de sistemas de modelo animal em linguagem simples ou com fatos científicos, eles recorrem ao jargão técnico … A virtude de sistemas de modelo animal para aqueles em busca dos dólares federais é que pode ser usado para provar qualquer coisa – não importa o quão tola ou falsa, ou perigosa possa ser.Existe uma variação tão grande nos resultados dos sistemas de modelo animal que há sempre algum sistema que irá ‘provar’ um ponto. … A moral é que os sistemas de modelo animal,não só matam animais, eles também matam seres humanos. Não há nenhuma evidência factual para mostrar que o uso de animais em pesquisa sobre o câncer levou à prevenção ou cura de um único câncer humano “.
– Dr. DJ Bross, Ph.D., 1982, ex-diretor do maior instituto de pesquisa do câncer no mundo, o Instituto Sloan-Kettering, então diretor de bioestatística, Roswell Memorial Institute, Buffalo, NY.

“Praticamente todas as experiências com animais são insustentáveis em uma base científica estatística, pois elas não possuem validade científica ou confiabilidade. Elea simplesmente executam um álibi para as empresas farmacêuticas, que esperam se proteger deste modo”
– Herbert Stiller, MD & Margot Stiller, MD, 1976.

“Como todos os membros da minha profissão, eu fui educado na crença de que quase todo fato importante na fisiologia foi obtido por vivissecção e que muitos dos nossos recursos mais valiosos para salvar vidas e diminuir o sofrimento tinham resultado de experiências com os animais inferiores. Agora eu sei que nada disso é verdade sobre a arte da cirurgia, e não só eu não acredito que a vivissecção ajudou o cirurgião um pouco, mas eu sei que muitas vezes levou ao erro “.
– Prof Lawson Tait, MD, 1899, Fellow of Royal College of Surgeons (FRCS), Edimburgo e Inglaterra. Aclamado como o cirurgião mais ilustre de seu tempo, o criador de muitas das modernas técnicas de cirurgia, e recebeu inúmeros prêmios de excelência médica.

“Os experimentos nunca foram os meios para a descoberta, e um levantamento do que foi tentado nos últimos anos em fisiologia vai provar que a abertura de animais vivos tem feito mais para perpetuar erros do que para confirmar a compreensão correta tomada a partir do estudo da anatomia e movimentos naturais “.
– Sir Charles Bell, MD, 1824, FRCS, descobridor da “Lei de Bell” em nervos motores e sensoriais.

“A vivissecção é bárbara, inútil e um empecilho ao progresso científico. Aprendi a operar a partir de outros cirurgiões. Este é o único caminho, e todo bom cirurgião sabe disso.”
– Dr. Werner Hartinger, 1988, cirurgião a 30 anos, presidente da Liga Alemã de Médicos contra a Vivissecção (GLDAV).

“Normalmente, as experiências com animais não só não contribuem para a segurança dos medicamentos, mas elas ainda têm o efeito oposto.”
– Prof Dr. Kurt Fickentscher de 1980, do Instituto Farmacológico da Universidade de Bonn, na Alemanha.

“Experimentos com animais levam, inevitavelmente, a experiências com as pessoas … Como se um experimento animal pudesse prever o mesmo resultado em uma pessoa. E como se um experimento em um ser humano permitisse prever as reações de um outro ser humano, cuja biologia e metabolismo são diferentes, cuja pressão arterial é diferente, cujo estilo de vida e idade e nutrição e sensibilidade e genes e tudo o mais são diferentes … Nós reconhecemos que cada organismo único, seja humano ou animal, tem suas próprias reações … A medicina ortodoxa e cirurgia supressiva de hoje não entendem o propósito da doença e, portanto, não sabem como tratá-la. A experiência de um verdadeiro médico deriva de sua intuição natural, juntamente com a sua observação no leito, mas nunca de invasivas, violentas experiências em pessoas, e muito menos em animais. Ao invés de higiene vital, que visa a preservação ou reconstrução da saúde por meios naturais e evita todo o uso de degradantes e destrutivas substâncias químicas,estudantes de medicina de hoje são apenas ensinados a manipular venenos e a mutilar corpos. Exigimos que isto seja alterado. ”
– Prof Andre Passebecq, MD, ND, D.Psyc, 1989, Faculdade de Medicina de Paris, o então presidente da Liga Internacional de Médicos contra a Vivissecção (ILDAV)..

“Criar câncer em animais de laboratório não pode e não vai nos ajudar a entender a doença ou a tratar as pessoas que sofrem com isso.”
– Dr. A. Sabin, 1986, desenvolvedor da vacina oral contra a poliomielite.

” Todo o nosso conhecimento atual da medicina e cirurgia deriva da observação do homem seguindo especialmente o método anátomo- clínico introduzido por Virchow : sintomas do paciente enquanto vivo e as alterações encontradas no corpo morto. Estas observações levaram-nos a descobrir a conexão entre tabagismo e cancer, entre a dieta e arteriosclerose, entre o álcool e cirrose, e assim por diante. Mesmo o factor RH não foi descoberto em macasus rhesus. As observações de Banting e Best em relação à diabetes,atribuídas a experiências em cães, já são bem conhecidas. Cada descoberta deriva a partir de observações feitas em seres humanos, que são posteriormente duplicadas em animais,e sempre que acontece dos achados coincidirem, a sua descoberta é atribuída à experimentação animal. Tudo o que sabemos hoje em medicina deriva a partir de observações feitas em seres humanos. Os antigos romanos e os gregos ganharam a maior parte do conhecimento a partir de estudos epidemiológicos de pessoas. O mesmo vale para a cirurgia. Cirurgia não pode ser aprendida em animais. Animais são anatomicamente completamente diferentes do homem, sua reatividade é completamente diferente, a sua estrutura e resistência são completamente diferentes. De fato , os exercícios em animais são enganosos. O cirurgião que trabalha muito com animais perde a sensibilidade necessária para operar em seres humanos ” .
– Prof de Bruno Fedi , MD , 1986 , Diretor do Hospital da Cidade de Terni , Itália, anatomista , patologista, especialista em urologia , ginecologia e oncologia.

“A minha convicção é que o estudo da fisiologia humana através da experimentação em animais é o erro mais grotesco e fantástico já cometido em toda a gama de atividade intelectual humana.”
– Dr. GF Walker, 1933.

“Por que eu sou contra a vivissecção? A razão mais importante é porque é má ciência, produzindo um monte de enganos e confundindo os dados que apresentam riscos para a saúde humana. Também é um desperdício do dinheiro do contribuinte pegar animais saudáveis e artificialmente e violentamente induzir doenças que eles normalmente não teriam, ou que ocorrem de forma diferente, quando já temos as pessoas doentes que podem ser estudadas enquanto estão sendo tratadas. ”
Dr. Roy Kupsinel, MD, 1988, editor da revista médica, nos EUA.

” A crescente oposição à vivissecção é compreensível, tanto na questão ética como biológica. No entanto, uma certa cultura cientificista diz que  servem para salvar vidas humanas. Mas a realidade é completamente oposta. Vamos pegar o caso de pesticidas. Estes produtos perigosos usados na agricultura, são classificados de acordo com sua toxicidade aguda, formada com a dose letal 50%  teste em animais.Isso representa não só um sacrifício inútil dos animais, mas é um álibi que permite que a indústria química venda produtos que são classificados como inofensivos ou quase inofensivos , mas na realidade são muito prejudiciais no longo prazo , mesmo quando tomados em pequenas doses. Muitos pesticidas classificados como pertencentes à quarta categoria , o que significa que pode ser vendido e utilizado livremente , acabaram por serem cancerígenos e mutagénicos, ou capaz de prejudicar fetos. Também neste caso, os testes em animais não são apenas ambíguos, mas servem para colocar no mercado produtos onde qualquer efeito cancerígeno será apurado apenas quando usado por seres humanos – as verdadeiras cobaias das multinacionais. E ainda existem exames laboratoriais que podem ser usados, que são mais baratos e mais rápidos do que os testes em animais; testes in vitro em culturas de células, que provaram seu valor há anos, mas os interesses das indústrias químicas em impingir-nos novos produtos em todas os campos não pode ser questionado. ”
– Prof Gianni Tamino , 1987 , biólogo da Universidade de Pádua , um deputado no Parlamento italiano.

“Os sistemas de modelo animal diferem de suas contrapartes humanas. Conclusões extraídas da pesquisa animal, quando aplicada a seres humanos, são suscetíveis de atrasar o progresso, enganar e fazer mal ao paciente. Vivissecção ou experimentação animal, deve ser abolido”.
– Dr. Moneim Fadali, MD, 1987, FACS, Diplomata da Câmara Americana de Cirurgia e Câmara Americana de Cirurgia Torácica, UCLA , Royal College of Surgeons of Cardiology, no Canadá.

“Experimentos em animais não significam apenas a tortura e a morte para os animais, mas também significa a morte de pessoas. Vivissecção é uma faca de dois gumes.”
– Maior RFE Austin, MD, 1927, Royal College of Surgeons, Licenciatura do Royal College of Physicians.

Cawadias (1953) disse que “A história da medicina tem demonstrado que, sempre que a medicina tem se desviado da observação clínica, o resultado foi o caos, estagnação e desastre.”
(British Medical Journal, 8 de outubro de 1955, p.867.)

Fonte: pnc.com.au – com livre tradução Veggi & Tal

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016