Mon Radicalisme – mais uma canção de Eline Belier

A musicista Eline Belier acaba de lançar mais uma canção ativista animalista.

“Espero que ela possa contribuir para a sensibilização dos opressores e ser bem aproveitada por ativistas e organizações ativistas abolicionistas animalistas.”, ela publicou em sua página no Facebook.

Mon Radicalisme (Meu Radicalismo) foi escrita em francês e português, tem participação do rapper Marcos Favela e imagem da capa por Débora Pires.

Mon Radicalisme (tradução)

Eu combato a morte
Você abate corpos
Eu defendo a vida
Contra a tua hipocrisia
Eu tenho razão, você, não tem não
Não coma mortos
Faça um esforço
(Faça um esforço)

Se você puder, reflita sobre isso
Vamos lá !
Escolha pôr um fim à barbárie
Matar, eu pensei que fosse proibido
E meu coração me disse :
Mas claro, é proibido !
Te peço que entremos juntos nisso
Pelo fim do especismo, já!

Abolicionismo
Veganismo
Antiespecismo
É só amor
O meu radicalismo

Especismo que fere e que mata
Que usa, abusa e maltrata
Equívoco humano tão desumano, tão desumano

Para os animais
Não existe o paraíso
O mundo é louco, é falso
Nós somos seus nazistas
O Holocausto não foi nada engraçado
E também não o é para os animais

Qual é a sua natureza ?
Você é humano ? Tem certeza ?
Eu te imploro o fim da tortura
O leite e o queijo
São escravidão
Abate, assassinato
Quem viver, morrerá

Te peço que entremos juntos nisso
Pelo fim do especismo, já!

Refrão:
Não vem com o papo de que estamos no topo
Pois sem compaixão é o fundo do poço
Meu radicalismo é cheio de amor
Não mata, não explora, não causa dor!

Vamos lá, acorde !
Você tem escolha
É o sangue do inocente senciente
Que escorre
Seja do boi, do peixe ou da galinha

Nessa hecatombe
É tua alma que tomba
E além disso o teu corpo apodrece
Com certeza você terá um montão de doenças
Ah tá feio demais, tá ruim demais
Tanta crueldade contra os animais
Exploração animal já não cabe mais!

Refrão:
Antiespecismo, antiespecismo
A tosa dos carneiros
É uma aberração
A vida deles é uma tragédia
Não me orgulho disso
Libertemos os animais
Mesmo o escargô
É o que precisamos fazer
Ir além das palavras

No final, o que conta
É a ação, o gesto
Que vergonha :
Eles nos temem
Como nós tememos a peste

Por isso é que estamos juntos nisso
Libertar os animais é nosso compromisso
Eline chamou, Favela topou
E o som libertador forte ecoou! Som, som, som!

Refrão :
Depende de mim e de você
Como outros seres vão viver
Se vão sofrer, se vão morrer
O que com eles vai acontecer

Vamos combinar
Acabemos com a morte
Paremos com a crueldade
Nos produtos de beleza
Não coma bichos
Mude a sua cabeça
Se esforce cada vez mais
Pra mudar o destino deles