Nutrição de gestantes vegetarianas

Tire suas dúvidas sobre alimentação durante a gravidez, nesta entrevista com a nutricionista especializada em dietas vegetarianas Mariana Marchetti

Nutrição de gestantes vegetarianas– Quais nutrientes são mais importantes durante a gravidez?

Durante a gestação, os níveis sanguíneos de ácido fólico diminuem como conseqüência do aumento da quantidade de sangue e da elevada excreção urinária desta vitamina. A suplementação de ácido fólico é essência para se prevenir diversos problemas e garantir uma boa saúde ao bebê.

– Quais as conseqüências da falta de ácido fólico na gestação? 

O acido fólico também é conhecido por vitamina B9 e é essencial para a saúde, principalmente quando se trata do período da gravidez.

Esta vitamina é essencial para a correta formação do tubo neural do bebê. Com a falta do ácido fólico pode ocorrer também anencefalia, que é um severo subdesenvolvimento do cérebro. Outros problemas como retardo do crescimento intra-uterino, descolamento da placenta, baixo peso ao nascer, hemorragia pós parto, também são observados.

– Há necessidade de a gestante ingerir algum suplemento nutricional?

A suplementação de ácido fólico é essencial, começando 3 meses antes da concepção e indo até o terceiro mês de gravidez. A quantidade a ser suplementada pode variar de mulher para mulher e deve ser analisada por médico ou nutricionista.

Outros suplementos podem ser necessários, perante analise individual da ingestão alimentar, observando se há deficiência na ingestão de algum nutriente.

 – A mulher que deseja ter um filho necessita ingerir alguma vitamina ou mineral antes de engravidar?

A suplementação de ácido fólico é recomendada que seja iniciada 3 meses antes da gravidez. E que continue até os 3 meses de gestação.

O acompanhamento nutricional e cardápio balanceado individualmente são essenciais para se garantir uma boa saúde da mamãe e bebê, através da ingestão adequada de todos os nutrientes.

– A gestante vegetariana necessita consumir carnes durante a gravidez?

Não. Todos os nutrientes que a carne apresenta podem ser encontrados em alimentos de origem vegetal. Além dos inúmeros benefícios encontrados em optar por uma dieta sem carnes, como: Vegetarianos apresentam menor risco de doença cardiovascular, menor risco de adquirir alguns tipos de câncer, menor chance de apresentar pedras na vesícula, insuficiência renal, diabetes, obesidade, osteoporose, etc. Os vegetarianos costumam apresentar menor pressão arterial, ter um menor consumo de colesterol e gordura saturada, ter um maior consumo de fibras, vitaminas e minerais.

– Existem alimentos especiais que a gestante deve consumir?

Garantir sempre a ingestão de alimentos antioxidantes como: frutas, verduras, legumes, leguminosas, sementes oleaginosas e cereais.

Garantir a ingestão de verduras verde-escuras (couve, escarola, rúcula, espinafre, agrião); alimentos de cor amarelo/laranja (mamão, laranja, cenoura, abóbora); frutas cítricas (limão, laranja, abacaxi); frutas e legumes avermelhados ( tomate, goiaba, melancia) ; grãos e sementes ( semente de girassol, gérmen de trigo, amêndoas, avelãs) ; chá verde, chá preto, etc.

Para gestantes vegetarianas é aconselhável também o consumo diário de sucos verdes (couve com suco de laranja ou abacaxi) para aumentar a ingestão de ferro e cálcio. Incluir também uma boa porção de verdura verde-escura no almoço e jantar e sempre com uma fonte de vitamina C para ajudar na absorção do ferro vegetal (limão, acerola, abacaxi, laranja- Um modo prático é tomar 1/3 de copo de suco de limão com água (espremer um limão grande e acrescentar um pouco de água para conseguir consumir).

Trocar o feijão comum pelo feijão azuki e feijão branco são ótimas escolhas para acrescentar mais cálcio ao dia.

Incluir a semente de linhaça (triturada na hora) e o óleo de linhaça, pelo ômega 3.

E sempre deixar na noite anterior do preparo os feijões de molho em água e cozinhá-los no dia seguinte em uma água nova. Esta pratica reduz a quantidade de fitato auxiliando na retenção de ferro e zinco pelo organismo.

– É verdade que a gestante precisa comer por dois?

Não. A gestante deve ter uma alimentação equilibrada que garanta todos os nutrientes em quantidades adequadas. O aumento ocorre após o terceiro mês, em que a orientação é de se aumentar apenas 300 calorias à necessidade diária. Sendo que este valor deve ser balanceado por nutricionista.

– Qual é a média saudável de peso que a gestante deve ganhar até o final da gravidez?

A média de ganho de peso varia entre 9 e 14 quilos. Varia muito de mulher para mulher, pois depende de alguns fatores como o IMC pré-gestacional.

– Os enjôos são comuns durante a gravidez. Há alguma maneira de evitá-los?

Os freqüentes enjôos na gravidez costumam sumir após a décima sexta semana de gestação, na maioria dos casos.

O primeiro passo é nunca sentir fome. Comer de 3 em 3 horas em pequenas quantidades. O mesmo serve para a ingestão de líquidos. Fracionar as quantidades.

Evitar alimentos gordurosos, açúcares e alimentos muito condimentados.

Evitar deitar logo após se alimentar.

O consumo de chá de gengibre costuma amenizar os sintomas.

– E a azia, tem como reduzir os sintomas?

Para evitar a azia não ficar sem comer mais de 3 horas. O estomago vazio pode aumentar a sensação de queimação. Coma menos, de 3 em 3 horas. Não beber líquidos durante a refeição e não deitar após se alimentar.

Evitar alimentos gordurosos, bebidas com gás ou quentes.

– A gestante necessita de acompanhamento nutricional ou apenas de acompanhamento do obstetra?

O acompanhamento nutricional é essencial. Uma alimentação equilibrada, balanceada individualmente de acordo com suas necessidades pessoais, rotina diária, gasto calórico e outros fatores é de suma importância para garantir a saúde do bebe e da gestante.

– Dicas gerais para alimentação na gestação.

Se alimente de 3 em 3 horas. Tenha uma alimentação colorida, diversificada, de preferência aos alimentos orgânicos.

Evite frituras.

Tome bastante água ao longo do dia.

Fonte: Nutrição Vegetariana

 

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016