Papagaio Reginaldo – Palavra Cantada

Papagaio Reginaldo – canção de Paulo Tatit e Zé Tatit  – Ed. Palavra Cantada Prod. Musicais

“Reginaldo vivia tranquilo no Pantanal, no galho de uma árvore, onde ele fez seu ninho.
Até o dia em que chegou pelas paragens um bicho um tanto estranho. E o papagaio descobriu que esse bicho se chamava homem.
A natureza selvagem vira uma fazenda, e o Papagaio Reginaldo tem que se adaptar à nova realidade.”

Havia um papagaio que chamava Reginaldo
Com uma vida natural
No meio do pantanal
Amigo da graúna, tartaruga e do tatu
Vaga-lume, da cotia, jacaré e jaburu
Tinha flores, tinha frutos, tudo era uma beleza.
Todo mundo em equilíbrio com a mamãe natureza.
E na árvore na montanha, tinha um galho e no galho.
Reginaldo fez seu ninho
Oh, que ninho! Lindo ninho!
Ai, ai, ai que amor de ninho!
O ninho no galho, o galho na árvore.
E a árvore na montanha olê ia ô.
A árvore na montanha olê ia ô.
A árvore na montanha olê ia ô.
A árvore na montanha ôôôô…
Mas um dia Reginaldo conheceu um novo bicho
Que surgiu tão de repente
Meio feio e esquisito,
Pois andava em duas patas
Tinha boca sem ter bico.
Quem será esse intruso, que parece um chimpanzé?
Será que come papagaio, o que será que ele quer?
Perguntou ao vaga-lume: Como chama esse bicho?
Esse bicho chama homem, chama humano, chama gente
Chama moço, chama cara, chama como se quiser
O que será que ele quer?
Reginaldo viu que o homem era sem educação,
Pois cortou a sua árvore sem nenhuma explicação.
E cortou aquele galho, nem ligou que tinha um ninho
O seu ninho bonitinho, feito com o maior carinho.
Reginaldo não gostou e foi falar com aquele moço
Por um triz que o machado não cortou o seu pescoço.
Mas a vida continua, foi fazer sua malinha.
Deu adeus à sua casa, foi dormir com as andorinhas.
Que arrumaram uma caminha, toda feita de peninha.
Ai, ai, ai, mas que amiguinhas!
Bonitinhas!
Quando todos já dormiam, acordaram de repente
Era um fogo que queimava o que via pela frente.
Um barulho, gritaria! Jacaré pra todo lado!
Tatu de rabo queimado
E a tartaruga que pedia uma ajuda pra correr
E graúna procurava alguma água pra beber
Reginaldo assustado bateu asas e voou
Quase morre sufocado na fumaça que soprou
Só voltou de manhãzinha para ver o que restava
Onde estava seus amigos e a floresta que ele amava?
Que foi feito do seu mundo?
Oh, que mundo! Vasto mundo.
Ai, ai, ai que amor de mundo!
Reginaldo ali sozinho, bem quietinho ele chorou
Tudo tinha se perdido, o seu mundo acabou
Sentado numa pedra um barulho ele escutou
Quando viu já era tarde era cocô que desabava
De um bumbum de boi malhado que agora ali pastava
Quase enterra Reginaldo de maneira mais bisonha.
Mas que boi mais sem vergonha!
Ainda veio com esse papo que lugar de papagaio é em cima de um galho
Ai meu galho! Lindo galho!
Onde foi parar meu galho?
O galho na árvore
E a árvore na montanha olê ia ô.
A árvore na montanha ôôôô…
Mas o fato é que a floresta virou um imenso pasto
E o pasto é um vazio
Com os bois comendo mato
Sem contar com o cupim
E um monte de carrapato
Reginaldo desolado foi voando assim sem rumo
E falou para si mesmo: Tudo bem, eu me acostumo.
Quando então ó que surpresa! Um pau reto ele avistou
Mas que estranho objeto, era um poste de concreto.
E no alto desse poste ele fez um novo ninho
Oh que ninho bonitinho!
Ai, ai, ai que amor de ninho!
O ninho no poste, o poste no pasto
Reginaldo relaxou e até que ficou legal
Cantava pra esquecer como era o pantanal
E ali se acostumou com os bois parados de bobeira
Comendo capim verde pra acabar na churrasqueira
Mas vejam só a peça que o destino lhe pregou
Foi comer grão de bico, uma arapuca o pegou
Reginaldo foi caçado por um homem bem matreiro
E vendido na gaiola para um grande fazendeiro
E aprendeu falar palavras, repetir tantas bobagens
Pra quê serve um papagaio aprender nossa linguagem?
E cortaram sua asa, suas penas bem no meio
Pra que ele não voasse e vivesse num puleiro
Ai, ai, ai mas que fuleiro!
O puleiro no galho, o galho da árvore.
E a árvore na montanha olê ia ô.
A árvore na montanha olê ia ô. (15x)

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016