Projeto para chipagem de animais “de estimação” é avaliado pela Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul

Lei trará obrigatoriedade de chips, além de indicar medidas de “posse responsável”

chipagem-animaisDeve voltar à pauta da Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final da Câmara de Vereadores o projeto de lei que estabelece normas para a chipagem, castração e  “posse” responsável de animais “de estimação” em Jaraguá do Sul. Ele entrou na pauta do Legislativo no dia 4 de setembro e, há mais de duas semanas, está sendo analisado pela comissão.

O texto proposto pelo Executivo recebeu emendas de organizações de proteção aos animais e veterinários. São 31 artigos que tratam de temas como a “posse responsável”, obrigatoriedade do uso da coleira e do recolhimento de fezes e castração de animais para doação.

Um dos aspectos que mais chama atenção e que gerou debate é o da implantação de chips de identificação nos animais. A proposta é que todos os animais da cidade recebam o dispositivo que contém um número. Assim, é possível conferir os dados do animal e de seu tutor. A intenção é reduzir o número de animais abandonados na cidade.

– Identificando o “dono”, podemos exigir punições, o que hoje é difícil. Estou desde a semana passada com um Pinscher (raça de cão) aqui em casa. Ele foi encontrado na Vila Lalau e não acho o dono. Se houvesse um chip, bastaria ir até uma clínica para descobrir o responsável – diz a presidente da Associação Jaraguaense Protetora dos Animais (Ajapra), Maria de Lourdes Pellense.

Ela ressalta que a fiscalização é fundamental para que a lei tenha efeito. Após passar pela Comissão de Legislação, o texto será analisado pelas comissões de Educação e Finanças. Só depois disso é que o projeto poderá ser encaminhado à votação da Plenária.

Entre os vereadores, a importância da lei é reconhecida. Outros sugerem alterações. Para o vereador Ademar Winter (PSDB), a obrigação do chip deveria ficar restrita à zona urbana. Ele afirma que irá aguardar o parecer dos demais vereadores para ter um posicionamento definitivo.

Abandonos crescem nesta época

Perto do fim de cada ano, as associações de proteção aos animais sentem um aumento no número de abandonos. Maria de Lourdes Pellense, da Ajapra, conta que nesta época são encontrados mais cães e gatos nas ruas. Segundo ela, cerca de oito a dez animais são capturados toda semana.

Para quem vai viajar ou sair de férias, Maria de Lourdes orienta buscar hotéis para animais na cidade ou pedir ajuda a familiares, amigos ou vizinhos para que cuidem do “pet”. O veterinário Valdemar Schwietzer, da Clínica Schweitzer, também percebe o aumento de abandonos. Ele é um dos médicos que cuida de animais recolhidos pelo setor de zoonoses da Prefeitura, sendo responsável por sua cura, castração e chipagem, assim como disponibilização para adoção.

Para ele, o projeto da chipagem é excelente. Vivenciando diariamente o abandono, ele percebe a importância da ideia.

– Identificamos o abandono pois os animais têm dificuldade de sociabilizar. Eles ficam assustados – ressalta.

O chip colocado no animal tem o tamanho de um grão de arroz e não causa ferimentos. Ele é aplicado entre as omoplatas com a ajuda de uma seringa. O chip tem produtos que evitam a rejeição do corpo. Para quem deseja fazer a chipagem, o custo é de R$ 80.

Fonte: A Notícia

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016