A superpopulação de jumentos do Rio Grande do Norte

Ambientalistas e defensores dos animais por todo o país se mobilizam contra abate dos animais

A superpopulação de jumentos do Rio Grande do NorteUm promotor de Justiça do Rio Grande do Norte propôs, em março deste ano, a utilização de carne de jumento como solução para diminuir a superpopulação destes animais.

Mais que isso, o promotor mandou abater dois jumentos para que pessoas convidadas por ele pudessem “saborear” a carne. O promotor também propôs que a carne dos animais fosse utilizada para a alimentação da população carcerária do país.

A iniciativa do promotor mobilizou ambientalistas e defensores dos animais por todo o país. Um abaixo-assinado, com mais de 50 mil assinaturas, entre eles artistas, acaba de ser entregue à direção do Ministério Público no RN e ao Ministério da Agricultura, protestando contra a iniciativa.

Uma página no Facebook também foi criada pelos defensores destes animais . “O jumento é nosso irmão”, diz o abre da página do Facebook. “Eu sou do RN e não concordo com o abate de jumentos”, afirma o abre da página, que é seguida por milhares de adeptos. O movimento tem seguidores em todo o país.

Usado antes para transporte de pequenas cargas e para deslocamentos de pessoas, este animal foi aos poucos sendo substituído pela motocicleta. Pela falta de interesse na exploração destes animais, os jumentos foram abandonados e agora vivem soltos, invadem rodovias e causam acidentes com veículos. Sem ter nada para comer, entram em roças e comem tudo o que encontram. Destroem plantações inteiras. Também invadem as cidades, comem resto de lixo e destroem jardins.

Por causa disso, o jumento virou alvo de extrema crueldade. No Ceará, o Departamento de Estradas local foi flagrado enterrando-os vivos, em vala aberta por tratores. Outros animais são confinados e acabam morrendo de fome ou com pauladas na cabeça. Estes bichos também são vítimas de parte da população e são maltratados de forma cruel em roças e cidades.

Em todo o Nordeste, há inúmeras iniciativas de preservação destes animais. Em São Miguel do Gostoso, foi criado o Projegue, que tinha como objetivo alimentar jumentos famintos e tratar aqueles que tinham sido maltratados por donos de roças destruídas por eles. Mas o Projegue não deu certo.

É comum, no Nordeste, prefeituras, cujas cidades foram invadidas por jumentos, encherem caminhões com os animais e mandarem soltá-los em áreas rurais de outros municípios. Mas eles acabam invadindo outras áreas urbanas em busca de comida – são mandados para outros municípios e assim o sofrimento continua.

Mas, até agora, nenhuma ofensiva contra os jumentos causou tanta polêmica como a iniciativa do promotor potiguar que fez churrasco destes animais e queria que a população, incluindo presidiários em todo o país, adquirissem o hábito de se alimentar da carne destes animais. Aí a reação foi enorme.

Acredita-se que, diante da enorme repercussão negativa, o promotor desista de sua estranha iniciativa. Mas não vai amenizar o sofrimento dos jumentos, que continuarão sem rumo, causando estragos em estradas e cidades. É necessário que ONGs e governos encontrem soluções para o abandono de jumentos.

Veja, abaixo, links sobre a história do jumento e relatos de extrema crueldade praticado contra estes animais. Veja também página no Facebook, foi criada para defender estes animais de iniciativas como a do promotor do RN.

http://www.change.org/pt-BR/peti%C3%A7%C3%B5es/procurador-geral-do-mp-rn-rinaldo-reis-salve-do-abate-milhares-de-jumentos-no-nordeste

http://www.peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=BR70356

https://www.facebook.com/ojumentoenossoirmao

http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/regional/animais-marcam-historia-dos-povos-1.580931

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2205200319.htm

http://www.midiaindependente.org/eo/red/2003/05/255006.shtml

http://brazil.indymedia.org/content/2008/02/412078.shtml

Texto publicado originalmente no blog noBalacobaco.

 

Com informações do site Brasil Post.

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016