Tok & Stok comercializa brinquedos que banalizam a exploração animal

da ANDA

brinquedoA conhecida loja de móveis e objetos de decoração Tok & Stok está comercializando uma linha de brinquedos educativos que banaliza a exploração animal. Direcionados para crianças que gostam de brincar com carrinhos e/ou animais, os produtos aparentemente inocentes estimulam o desrespeito e a humilhação.

Ao contrário do que a empresa possa pensar e defender, os brinquedos não educam positivamente. Na verdade é um desserviço para os direitos animais, como também para o processo de formação da personalidade da criança que desde cedo aprende a enxergar de maneira insensível, a cruel e triste realidade dos animais explorados pela sociedade.

Os brinquedos vendidos pela loja não são educativos e nem são algo “feliz”, quando se conhece os bastidores de zoológicos e fazendas exploradoras – apesar dos sorrisos desenhados nas peças que compõem os três diferentes kits comercializados no site de compras.

O caminhão de madeira (farm carreta) carrega uma ovelha, um bode, uma vaca, um porco, um cavalo e um touro. Todos eles são cruelmente exploradas pela indústria da carne e do entretenimento. Além do caminhão, a loja ainda oferece um zoológico (box zoo) e uma carreta de transporte de animais de zoológico (zoo carretinha) ambos com animais selvagens como elefante, girafa, leão, rinoceronte e até um urso polar.

Da forma como são apresentados, esses brinquedos acendem a discussão sobre o especismo embutido nesse tipo de comercialização. Ao invés de aprenderem a respeitar os animais livres em seus habitats, as crianças interagem com produtos que encorajam o aprisionamento desses seres para o deleite humano.

Vendido para crianças a partir de dois anos, o anúncio do “farm carreta” diz: “Aprender brincando como é ou se chamam os animais é uma das ideias deste kit interativo, presente ideal para deixar ainda mais educativas as brincadeiras dos meninos!” Além de especista, é machista. Um objeto pensado e direcionado a um gênero, como se só os meninos pudessem brincar e aprender com determinado tipo de brinquedo.

A brincadeira na formação das crianças

Há uma grande discussão sobre o papel da brincadeira na infância e na vida de uma pessoa. É nesse período que o ser humano começa a se desenvolver psicologicamente, envolvendo mudanças no seu comportamento e na construção de sua personalidade. A brincadeira ocupa papel fundamental durante a infância. É brincando que a criança aprende a lidar com o mundo.

A doutora em teoria política e filosofia moral Sônia T. Felipe considera que os brinquedos que damos às crianças são como armas para a construção de seus mundos. Segundo ela, muitas vezes oferecemos formas de brincar às crianças sem levar em conta que aquele objeto pode ser um instrumento de opressão.

“O racismo, machismo e especismo não nascem na cabeça da pessoa depois que ela se torna adulta. Não mesmo. Essa forma de desenhar o mundo hierarquizando as vidas, estabelecendo fins para as vidas dos outros, sempre em função dos próprios interesses a serem atendidos, é algo construído desde antes de o bebê humano nascer. Desde a cor das roupas, dos detalhes da decoração, das figuras que irão compor o cenário no qual essa ou esse bebê abrirão pela primeira vez os olhos para olhar algo que não seja o seio da mãe, tudo é matéria formatadora de conceitos, preparando a mente para um mundo cheio de divisórias, de divisões, de cisões, de cizânias, um mundo no qual uns manejam a vida dos outros até os exaurirem e em seguida os abatem sem o menor pudor, mas sempre humanitariamente”, explica a professora Sônia Felipe, que também é colunista da ANDA.

O professor de filosofia e colunista da ANDA Leon Denis, explica que do ponto de vista pedagógico esse tipo de brinquedo insere na consciência das crianças a ideia de que os animais foram feitos para serem explorados. “Isto naturaliza uma relação especista do humano com o não humano desde a mais tenra idade. Quando vemos crianças praticando maus-tratos aos animais, uma hipótese já bem difundida é a de que essa criança desde cedo presenciou uma relação violenta com os animais, e dentre essas relações temos o ‘inocente’ processo educativo via um lúdico especista. As crianças aprendem por mimésis, por imitação. Brinquedos que reproduzem essa relação de propriedade ensinam às crianças a verem os animais com um olhar de inferioridade, sem contar que muitos desses brinquedos especistas passam a imagem de que os animais são felizes naquele estado de exploração”, diz o professor.

Ao se pensar num mundo melhor é necessário fazer um mundo melhor. Isto inclui educar para um mundo verdadeiramente pacífico onde animais humanos e não-humanos tenham seus direitos reconhecidos e respeitados.

Manifeste sua indignação à loja Tok & Stok:

Fale Conosco

Facebook

Twitter

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016