A vida secreta das vacas

a vida secreta das vacasAs vacas são tão diferentes entre si quanto gatos, cães e pessoas: alguns são brilhantes, outros são aprendizes lentos. Alguns são ousados e aventureiros, outros são envergonhados e tímidos. Alguns são simpáticos e atenciosos, outros são mandões e desonestos.

De acordo com pesquisas, as vacas são geralmente animais muito inteligentes que se lembram de coisas por um longo tempo. Estudiosos do comportamento animal descobriram que vacas interagem de formas socialmente complexas, desenvolvem amizades ao longo do tempo e, por vezes, ressentimentos contra outras vacas que as tratam mal.

Estes gigantes gentis lamentam as mortes e até mesmo a separação daqueles que amam, derramando lágrimas sobre sua perda. O vínculo mãe-bezerro é particularmente forte, e há inúmeros relatos de vacas mães que continuam freneticamente a chamar e a procurar por seus bebês após os bezerros serem retirados e vendidos para fazendas de vitela ou carne.

A pesquisa mostrou que as vacas entendem claramente relações de causa e efeito- um sinal claro de avançadas capacidades cognitivas. Por exemplo, as vacas podem aprender a empurrar uma alavanca para operar um bebedouro quando estão com sede, ou a pressionar um botão com a cabeça para liberar grãos quando estão com fome. Pesquisadores descobriram que não só as vacas podem resolver problemas, mas elas também – assim como seres humanos- gostam do desafio intelectual e se animam quando encontram uma solução.

Ordens de hierarquia não são apenas para galinhas

Um rebanho de vacas é muito parecido com uma matilha de lobos – com animais alfa e complexas dinâmicas sociais. Cada vaca pode reconhecer mais de 100 membros do rebanho, e as relações sociais são muito importantes para elas. As vacas vão frequentemente escolher os líderes pela sua inteligência, curiosidade, auto-confiança, experiência e boas habilidades sociais, enquanto que bullying, egoísmo, tamanho e força não são reconhecidas como qualidades de liderança adequadas.

Criar vacas em condições não naturais, como confinamentos lotados, é muito estressante para elas, pois isso perturba sua hierarquia. O pesquisador Jon Watts, da Universidade de Saskatchewan,observa que as vacas que são mantidas em grupos de mais de 200 em confinamentos comerciais ficam estressadas e lutam constantemente pelo domínio.

Vacas não querem morrer

Como todos os animais, vacas valorizam suas vidas e não querem morrer. São inúmeras as histórias de vacas que passaram a extremos para lutar por suas vidas.

Uma vaca chamada Suzie estava prestes a ser carregada em um cargueiro com destino a Venezuela, quando ela se virou, correu de volta para baixo da prancha, e saltou para o rio. Mesmo estando grávida (ou talvez porque estava grávida), ela conseguiu nadar até o outro lado do rio, frustrando sua captura por vários dias. Ela foi resgatada pela PETA e enviada a um santuário.

Quando os trabalhadores de um matadouro em Massachusetts fizeram uma pausa, a vaca Emily deu um salto tremendo sobre um portão de 5 metros e fugiu para a floresta, sobrevivendo por várias semanas durante o inverno mais rigoroso da Nova Inglaterra em uma década, habilmente recusando-se a tocar o feno posto para atraí-la de volta para o matadouro.

Quando ela foi finalmente capturada pelos proprietários de um santuário nas proximidades, o clamor público exigiu que o matadouro permitisse que o santuário a comprasse por um dólar. Emily viveu o resto de sua vida em Massachusetts até que morreu de câncer em 2004. Sua vida é um testemunho do fato de que comer carne significa comer animais que não querem morrer.

Fonte: PETA – com tradução Veggi & Tal

Assista ao vídeo: a cruel realidade da indústria dos laticínios

Artigos relacionados

Veggi e Tal - Receitas veganas, Veganismo e Direitos Animais
© 2012 - 2016